XV Congresso Catarinense de Cardiologia

Divisor de Título

UKPDS: Estratificação de risco macrovascular de pessoas com Diabetes Mellitus tipo 2 no Núcleo de Atenção em Diabetes (NAD) de Blumenau ? SC.

INTRODUÇÃO Na atualidade, o Diabetes Mellitus (DM) tipo 2 é uma das principais doenças crônicas não transmissíveis que afetam a humanidade, sendo, portanto, um grave problema de Saúde Pública. O DM é um importante fator de risco independente para doença arterial coronariana, acidente vascular encefálico, doença arterial periférica e insuficiência cardíaca. Tal fato justifica a relevância de identificar pessoas com diabetes que possuem maior risco para complicações macrovasculares. Para estratificação desse tipo de risco, a ferramenta de cálculo mais apropriada é a calculadora UKPDS, que estima o risco de DAC e AVE fatal, ou não fatal em pacientes com DM tipo 2. Para isso, o cálculo utiliza variáveis como: sexo, idade, tempo de DM, hemoglobina glicada, etnia, tabagismo, fibrilação atrial, pressão arterial sistólica, colesterol total e HDL-C. MÉTODO Estudo descritivo, transversal e quantitativo, realizado nos meses de março, abril e maio de 2017. A população-alvo foram os usuários do Núcleo de Atenção em Diabetes (NAD), um serviço de atenção secundária do SUS do Município de Blumenau ? SC. A coleta de dados realizou-se através de análise dos prontuários identificando as variáveis necessárias para o UKPSD. A amostra constitui-se de 106 prontuários e os usuários foram selecionados conforme os seguintes critérios de inclusão: ser cadastrado em uma equipe de Estratégia de Saúde da Família; ter DM tipo 2; ter se consultado nos últimos dois anos no NAD; ter os resultados de exames registrados no prontuário. RESULTADOS Dentre a amostra, 61 usuários eram mulheres e 45 homens. Verificou-se a predominância de usuários na faixa etária de 50 a 70 anos. Além disso, apenas 7,5% deles são tabagistas, enquanto 38,7% declaram-se ex-tabagistas e 53,8% não tabagistas. O último exame de hemoglobina glicada registrada em prontuário apresentou resultados entre 5% e 17%, sendo a maioria entre 6% e 10%. Em relação ao tempo do diagnóstico de DM2, 50,9% apresentam o diagnóstico entre 1 a 10 anos; 24,5% entre 11 a 20 anos; 18,8% entre 21 a 30 anos; e 5,6% há mais de 30 anos. Ao calcular o risco cardiovascular dos usuários, identificou-se que 43,4% possuem risco alto de apresentarem evento cardiovascular em 10 anos; 26,4% apresentam risco intermediário e 30,2% risco baixo. CONCLUSÕES Vê-se com este estudo, a importância de se utilizar a calculadora de risco UKPSD para as pessoas com DM tipo 2, a fim de elaborar estratégias de mudanças nos fatores de risco modificáveis e evitar maior morbimortalidade. Percebeu-se que a maior parte dos usuários selecionados neste estudo, possuem alto risco de apresentarem uma DAC e ou um AVE fatal, ou não fatal. Sendo assim, o resultado desta pesquisa servirá de subsídio para o desenvolvimento do modelo de Autocuidado Apoiado, como uma estratégia capaz de empoderar estes usuários para que auto gerenciem sua saúde, a fim de reduzir ou minimizar as complicações da DM tipo 2 e influenciar positivamente na qualidade e expectativa de vida destes.

Autores: LUANA RAIMUNDO, Amanda Mohr, Cláudia Regina Lima Duarte da Silva, Evelyn Scharf, Karla Ferreira Rodrigues, Luíza Souza de Magalhães, Rúbia Farias Kaszczesen, Tiago Muller, Thyara Becker