XV Congresso Catarinense de Cardiologia

Divisor de Título

Disseção de artéria coronária em mulher jovem

Introdução A dissecção de artéria coronária é uma causa incomum de síndrome coronariana aguda. Essa condição é caracterizada pela separação não traumática e não iatrogênica da parede das artérias coronárias. Descrição do caso Paciente feminina, 32 anos, previamente hígida, foi admitida no pronto-socorro em Killip I referindo dor precordial de forte intensidade com início há 1 hora. Realizado eletrocardiograma, que mostrou elevação de segmento ST na parede antero-lateral. Iniciadas medidas para manejo de síndrome coronariana aguda com supradesnivelamento do segmento ST e encaminhada ao laboratório de Hemodinâmica. O procedimento revelou a presença de dissecção do tronco da coronária esquerda com limitação importante do fluxo coronariano. Realizado implante de stents em artéria descente anterior e tronco de coronária esquerda, apresentando fluxo TIMI III e blush miocárdico zero como resultado final da intervenção percutânea. Durante a tentativa de realização do tratamento das lesões a paciente evoluiu com instabilidade hemodinâmica, sendo necessária a obtenção de via aérea definitiva e uso de drogas vasoativas. A paciente foi então encaminhada à unidade de terapia intensiva coronariana, evoluindo com a necessidade de dispositivos mecânicos de contra pulsão aórtica e de assistência biventricular; acrescentada à lista de transplantes cardíacos com prioridade máxima, porém evoluiu ao óbito após 28 dias de internação, em virtude do desenvolvimento de pneumonia hospitalar. Conclusões Não há um consenso quanto ao mecanismo fisiopatológico da dissecção coronariana espontânea, tendo sido propostos até o momento como causa a ruptura da camada íntima dos vasos ou sangramento da vasa-vasorum. Essa condição é mais comum no gênero feminino, sendo um importante diagnóstico diferencial de dor torácica em mulheres jovens. Em muitos casos, encontra-se um fator predisponente, como displasia fibromuscular, puerpério, multiparidade e desordens do tecido conjuntivo. Em virtude da raridade dessa condição e de suas diferentes formas de apresentação, o tratamento deve ser individualizado.

Autores: MAURÍCIO FELIPPI DE SÁ MARCHI, Fernanda Geremias dos Santos, Marcelo Mendes Farinazzo