XV Congresso Catarinense de Cardiologia

Divisor de Título

Avaliação de fatores de risco cardiometabólicos e da Síndrome Matabólica em crianças e adolescentes de um município do Sul do Brasil.

Introdução: O processo aterosclerótico envolvido nas doenças cardiovasculares (DCV) se desenvolve durante anos a partir da infância. A escassez de estudos sobre fatores de risco em crianças e adolescentes é um obstáculo para lidar com a epidemia cardiovascular. Além disto, a obesidade em jovens tem aumentado mundialmente e a prevalência de fatores de risco associados com a síndrome metabólica (SM) é preocupante. Nosso estudo identificou fatores de risco para DCV em estudantes de Botuverá-SC, e avaliou a associação entre as lipoproteínas mais aterogênicas (LDL pequena e densa; sd-LDL) com o índice aterogênico (IA) e a resistência à insulina (RI). Métodos: Todos os alunos de escolas públicas foram convidados a participar. Amostra de sangue foi coletada (jejum 12h) para análise laboratorial de rotina. A RI foi identificada pelo modelo de avaliação da homeostase (HOMA-IR). O IA foi estimado pelo log [TG/HDL-C], o tamanho de partícula de LDL por [LDL (nm) = 26,262-0,776 (TG mmol.L-1/HDL-c mmol.L-1)] e o colesterol da sd-LDL foi quantificado após precipitação seletiva das demais lipoproteínas. Marcadores antropométricos, dobras cutâneas e pressão arterial foram medidos. P ? 0,05 foi significativo. Resultados: 399 (68%) alunos (10,5 ± 2,9 anos) foram avaliados, 52,1% meninas. Inúmeros fatores de risco para DCV foram encontrados: elevação de colesterol total (75,4%), não-HDL-c (62,6%), LDL-c (50,1%), sd-LDL (18,5%), triglicérides (18,5%) e baixo HDL-c (20,8 %). Aumento de ácido úrico (5,8%), proteína C-reativa-as (23,7%), glicose (14%), RI (7,0%), pré-hipertensão (14,0%), hipertensão (17,1%), excesso de peso (13,3%), obesidade (11,5%); gordura corporal elevada (%G; 32,8%), obesidade abdominal (26,8%). A prevalência de SM foi de 8,8% no geral; 2,2% em eutróficos; 18,9% nos estudantes com excesso de peso e 41,3% nos obesos (P <0,001). Os alunos com SM tinham concentração e prevalência mais elevados de todos os componentes de SM, além de sd-LDL-c, LDL (nm), insulina e RI (P <0,001). Hipertensão foi encontrada em 77,1%, hipertrigliceridemia em 68,6% e HDL-c baixo em 65,7% dos alunos com SM. Prevalência de sd-LDL superior a 50% de LDL-c foi de 37,1 em estudantes com SM e 16,2% nos sem (p = 0,002). Entre os estudantes com SM, os obesos apresentaram maior prevalência de RI (75,0%), baixo HDL-c (56,6%), hipertensão arterial (55,5%) e hipertrigliceridemia (50,0%) (P <0,03). A concentração de sd-LDL-c foi correlacionada com o IA (r = 0,482, p < 0,001). O tamanho da partícula de LDL (nm) e o IA foram correlacionados com o HOMA-IR (r = -0289, p < 0,0001 e r = 0,328, p < 0,0001, respectivamente). Conclusão: Há alta prevalência de fatores de risco para DCV nesta população, especialmente nos estudantes com excesso de peso. A proporção de partículas de sd-LDL foi preditiva para a RI e o IA. Assim, esse parâmetro pode estender a avaliação do risco individual para além da limitação dos marcadores de risco convencionais na população juvenil.

Autores: HELOISA PAMPLONA CUNHA, Nilton Rosini, Roberta Caetano , Alexandre Luiz Pereira, Marina Vieira de Oliveira, Marcos José Machado, Edson Luiz da Silva