XV Congresso Catarinense de Cardiologia

Divisor de Título

IMPORTANCIA DO HOLTER EM CAUSA INCOMUN DE SINCOPE: ANGINA VASOESPÁSTICA ? PRINZMETAL

INTRODUÇÃO Forma variante de angina foi primeiramente descrita por Prinzmetal como espasmo coronariano transitório e recorrente, que leva a episódios recorrentes de isquemia do miocárdio. Embora muitos fatores possam desencadear ou agravar o vasoespasmo coronariano; a disfunção endotelial foi considerada como um importante mecanismo subjacente a esta situação, mediando a hipercontratilidade da musculatura lisa do vaso, associada com um desequilíbrio do tónus vagal e simpático. Os episódios ocorrem mais frequentemente da meia-noite à manhã cedo (tom vagal é mais elevado). A presença de sincope não compõe o quadro clinico clássico mas pode ocorrer em decorrência de arritmias graves secundárias ao vasoespasmo. O Holter pode detectar episódios de elevação e depressão do segmento ST com ou sem angina e deve ser realizada em pacientes nos quais o diagnóstico está sendo considerado. O achado de alterações transitorias do ST isquêmicas, combinado com uma história típica, pode confirmar o diagnóstico. Vale ressaltar que os episódios de angina podem ser infreqüentes, podendo ser necessário monitoramento de longo prazo. Relatamos um caso clínico onde a monitorização ambulatorial com Holter 24 horas determinou o diagnóstico etiológico de um paciente portador de sincope associado com dor torácica ocasional.RELATO Um paciente caucasiano de 56 anos, e histórico de tabagismo, foi encaminhado ao serviço de cardiologia devido a episódios de sincope com padrão on-off, com evolução de 30 dias associado com dor torácica retroesternal sem relação com esforços. Exame físico sem alterações significativas. Eletrocardiograma de repouso foi normal. O ecocardiograma não apresentou alterações segmentares da contratilidade do ventrículo esquerdo. Optado no primeiro momento por investigação com Holter e teste ergométrico. O Holter de 24 horas evidenciou os seguintes achados: FC média de 82 cpm, intervalos PR, QRS e Qtc normais, presença de Supradesnivelamento do segmento ST de até 7,7 mm no canal "1" e 6,2 mm no canal "2" sendo 10 episódios, com duração máxima de 4 minutos, com as maiores elevações ocorrendo as 2 horas da madrugada. Associado episodios de TV de polimorfica não sustentada concomitante com as alterações do segment ST. O paciente não descreveu sintomas durante a monitorização. Após a realização do Holter optado por internação hospitalar e caterismo cardiac que não evidenciou lesão crítica, apenas irregularidades coronarianas com a presence de intense vasoespasmo coronariano. Diante do quadro postulado o diagnostico de angina de prinzmetal e iniciado terapia com diltiazem com dose de 360 mg/dia ? suprimindo os sintomas do paciente e Holter de controle sem anormalidades arritmicas e/ou de segmento ST. CONCLUSÃO Apresentamos uma causa incomum de sincope na pratica clinica diária onde o Holter demonstrou papel fundamental no diagnóstico de Angina de Prinzmetal. Importante salientar que a monitorização cardíaca ajudou para determinar a resposta terapêutica.

Autores: ANA CAROLINA CALDARA BARRETO, Ana Carolina Gern Junqueira, ULIANA MIYUKI YANAGI FEIJO, EDUARDO HENRIQUE SERAFIM MARTINELLO, RUBENS VAZ FEIJO JUNIOR, EDILSON ALVARO ROMA, Rafael de March Ronsoni