XV Congresso Catarinense de Cardiologia

Divisor de Título

DISSECÇÃO ESPONTÂNEA DA ARTÉRIA CORONÁRIA EM PACIENTE SEM COMORBIDADES

A dissecção espontânea das artérias coronárias é um evento incomum na prática clínica, ainda mais em pacientes sem possíveis eventos precursores. Ainda que raro, a apresentação de sintomas sugestivos de isquemia miocárdica em pacientes jovens e sem fatores de risco, deve alertar o cardiologista para a possibilidade desta patologia (Tanis et al. 2008). DESCRIÇÃO DO CASO AMMR, 46 anos, feminina, sem comorbidades. Apresentou dor torácica atípica tipo C e procurou atendimento. Estava em uso de levofloxacina por um quadro de sinusite, sem outra história pregressa. No Pronto Socorro foram detectados aumento de marcadores de necrose miocárdica com alteração inespecífica da repolarização no segundo Eletrocardiograma (ECG). Angiotomografia de artérias coronárias: escore de cálcio de zero pelo método de Agatston; espessamento parietal irregular no segmento médio da Artéria Descendente Anterior (ADA), determinando estenose luminal discreta <50% com possibilidade de dissecção. Ecocardiografia mostrou hipocinesia apical com Fração de Ejeção do Ventrículo Esquerdo de 69%. A paciente foi encaminhada para cinecoronarioangiografia com o achado de dissecção da ADA com hipocinesia apical. Em sequência, a Ressonância Magnética cardíaca mostrou áreas de realce tardio miocárdico compatíveis com infarto de padrão transmural nos segmentos anterior e inferior apicais, no ápex do ventrículo esquerdo e no segmento septal apical. [IMAGEM ANGIOGRÁFICA] A precordialgia persistiu por algumas horas porém sem alteração adicional no ECG; a troponina atingiu valor máximo de 13,805, e creatina quinase massa (CKMB) de 43,70, no terceiro dia de internação. A conduta conservadora foi mantida com regressão gradativa da dor em uso de tratamento medicamentoso. Investigação para doenças reumatológicas foi negativa. Houve uma recuperação sem complicações com queda progressiva dos marcadores de necrose miocárdica. A paciente recebeu alta em uso de dupla terapia antiplaquetária e betabloqueador, e continua em acompanhamento ambulatorial. CONCLUSÃO A apresentação de sinais e sintomas de isquemia em pacientes sem fatores de risco clássicos para aterosclerose deve levantar a possibilidade de dissecção das artérias coronárias (Saw et al. 2016). Frequentemente, esta patologia se apresenta após um esforço físico extremo porém pode se apresentar de forma espontânea. A maioria dos pacientes são do sexo feminino. Um estudo mostrou uma taxa de eventos adversos cardiovasculares maiores de 47% em 10 anos (Tweet 2012).

Autores: DARIUSH AKHAVAN, FÁBIO FEUERHARMEL GUISSEPPIN, DANILO GUÉRCIO FERNANDES, PAULO ANTÔNIO MARRA DA MOTTA, ANDRÉ MARTIN AKHAVAN