XV Congresso Catarinense de Cardiologia

Divisor de Título

A IMPORTANCIA DO ESCORE DE CÁLCIO CORONARIANO NO OCTAGENARIO E A RNM CARDÍACA NA PESQUISA DE ISQUEMIA CARDÍACA

INTRODUÇÃO: A doença arterial coronariana é uma das mais importantes causas de morte em todo o mundo e a calcificação das artérias coronárias é preditora independente desta enfermidade. Sabe-se que escore de cálcio coronariano (EC) alto condiz com alta probabilidade de eventos cardiovasculares. A melhor abordagem para pacientes assintomáticos com escore de cálcio alto (por exemplo >400) é incerta. Estudos mostram que homens maiores de 70 anos, a pontuação em 95% deles sem estenose significativa foi de 134 AG ou menos. Ainda, na avaliação de pacientes de alto risco, a ressonância magnética cardíaca (RNM) permite o diagnóstico acurado de doença isquêmica e a visualização e quantificação da isquemia bem como de cicatriz miocárdica e fibrose. Assim, relatamos um caso que evidencia a utilidade do score de cálcio e da RNM cardíaca. RELATO DE CASO: Paciente de 85 anos, masculino, consulta para rastreio de doenças cardiovasculares, negando dor precordial, ou equivalentes anginosos. refere ocasionalmente dispnéia aos grandes esforços, sem outras queixas. Etilista social, nega tabagismo. Hipertenso, dislipidemico e hipotireoideo. Trás teste de esforço realizado há 1 ano, com esforço submáximo (88% da FC máxima - 06:31 min), sem alterações isquêmicas. No exame físico sem particularidades. Solicitado ecocardiograma: FEV 79%, redução da complacência do VE, insuficiência tricúspide, mitral e aórtica leves. EC de 1492 AG, percentil 79, idade arterial de 82 anos. Não corrige o Framingham de 20%. ASCVD lifetime Risk de 39% (corrigido para 79 anos). Solicitado RM cardíaca que retorna com FEV de 82%, isquemia moderada inferior e ínferosseptal basal. Paciente é internado para realização de cirurgia de revascularização miocárdica triarterial. Mantido tratamento clínico otimizado, este retorno após dois anos, aos exames de controle, RNM cardíaca com FEV 66%, perfusão de estresse e repouso sem alterações, ausência de fibrose miocárdica. CONCLUSÃO: O EC, especialmente para pacientes de risco intermediário, pode aumentar a predição de risco em indivíduos assintomáticos e aumentar o valor preditivo do Índice de Risco de Framingham. O paciente possuia perfil conforme a recomendação segundo o ACC/AHA para a utilização do EC, sendo a mensuração de cálcio razoável para avaliação de risco cardiovascular em adultos assintomáticos com risco intermediário (risco em 10 anos de 10% a 20%). A RNM cardíaca mostrou-se útil na avaliação do paciente com doença cardíaca isquêmica. Uma vez que a RM fornece uma perspectiva cardíaca 3D acurada, tem sido considerada por muitos padrão ouro para as verificação da FEV esquerda e direita, volumes e massa miocárdica. Ela detecta anormalidades regionais do movimento da parede e anormalidades de ATP no tecido isquêmico. Neste caso, foi determinante de conduta no paciente assintomático com escore de cálcio alto, permitindo abordagens terapêuticas precoces com aumento da sobrevida.

Autores: GABRIEL ZANETTE NASPOLINI, Gabriel Santos da Silva, Samuel Cesconetto, Franco Aguilar Salazar, Christian da Silva Dal Pont