XV Congresso Catarinense de Cardiologia

Divisor de Título

Correlação da perfusão coronariana pós-angioplastia primária com a função ventricular pós-infarto

Introdução: O Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) destaca-se pela sua elevada prevalência. O rápido reconhecimento dos sintomas, diagnóstico e tratamento são fundamentais para o sucesso terapêutico e prevenção de complicações. A angioplastia primária constitui o tratamento mais efetivo, além de possibilitar a análise da perfusão coronariana pelo TIMI frame count (TFC) e da gravidade pelo escore SYNTAX (eSX). A avaliação pelos métodos cinecoronariográficos e ecocardiográficos são de extrema importância para determinação do prognóstico e avaliação da função cardíaca pós-IAM. Objetivos: Correlacionar a perfusão coronariana pós-angioplastia primária com a função ventricular pós-infarto; descrever as características demográficas, comorbidades, hábitos de vida e histórico familiar da população em estudo; associar o delta T, o tempo porta-balão e o tempo total de isquemia à perfusão coronariana pós-angioplastia primária, à função ventricular pós-infarto e ao escore SYNTAX (eSX); associar as comorbidades, hábitos de vida, histórico familiar e acometimento da parede anterior com a perfusão coronariana pós-angioplastia primária. Métodos: Estudo transversal incluindo 55 pacientes admitidos no Instituto de Cardiologia de Santa Catarina (ICSC) com IAM com supradesnivelamento do segmento ST (IAMCST), no período de agosto/2016 a novembro/2016. Coleta de dados a partir de entrevista e consulta em prontuários. Análise pelo SPSS 13.0, teste Qui-quadrado, t de Student e p?0,05. Aprovado pelo CEP-ICSC. Resultados: Dentre as características demográficas foi observada uma média de idade de 58,39±10,68 anos, sendo 63,3% são do sexo masculino. A comorbidade de maior prevalência foi a HAS com 54,5%. DM e dislipidemina apresentaram, respectivamente, uma frequência de 21,8% e 36,4%. Quanto aos hábitos de vida, observou-se que 34,5% eram tabagistas e 30,9% consumiam álcool. Foi verificada uma correlação estatisticamente significativa (r= 0,31 e p= 0,041) entre o TFC e do eSX. Ocorreu uma tendência não significativa de correlação entre a FEVE e o eSX (r=0,31 e p=0,051) e entre a FEVE e o delta T (r= -0,30 e p=0,058). As demais correlações não apresentaram significância. As associações entre o TFC com as variáveis epidemiológicas não demonstraram significância estatística.  Conclusão: Observa-se uma população acometida pelo primeiro IAMCSST predominantemente do sexo masculino, com uma média de idade de 58,39 anos. As características clínicas de maior prevalência são HAS, história familiar positiva e tabagismo. Neste estudo, a perfusão coronariana não está correlacionada com a função ventricular pós-infarto. Segundo achados desta pesquisa, eSX está correlacionado positivamente com a perfusão coronariana e possui uma tendência não significativa de correlação com a função ventricular pós-IAM e com o delta T. Não é encontrada associação das comorbidades, hábitos de vida, histórico familiar e acometimento da parede anterior com a perfusão coronariana pós-angioplastia primária.

Autores: ANA PAULA BALD, Roberto Léo da Silva, Tammuz Fattah, Daniel Medeiros Moreira